SEMPRE PROCURE

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

DíVIDA




“Alguém me disse 
Logo vi que foi tolice 
A dívida não foi paga 
Logo deixei a vida ficar amarga 
Minhas conclusões 
E tentar não viver de ilusões 
Um motivo pode ser sincero 
Mas  dividas são um caso serio 
Pedaços de minha alma 
Ilusões em grandes lotes 
Dívidas eternas 
Não pagas ou inoperantes 
Dependem então dos momentos mais constantes 
Sobreviver a algo maior e saber lidar com termos em metade 
Logo vi que divida não tem idoneidade 
Dívida paga e aquela que em uma entrega niquem me nega 
Servir com direito sem tentar ser perfeito 
Somente no divino 
A dívida paga com amor 
Torna-se suprema e sem dor.